fbpx

A importância de expor o bebé a todos os alimentos

A selectividade alimentar é um comportamento muito comum em bebés e crianças. Comiam de tudo e de repente começam a rejeitar determinadas coisas, algumas que já comiam e outras rejeitam simplesmente por serem diferentes ou novas (neofobia alimentar).

À medida que as crianças vão desenvolvendo mais autonomia, elas começam a preferir comer sozinhas e a ter sentimentos fortes sobre o que está no seu prato. Cá em casa foram os verdes e a novidade. Tivemos um episódio por volta dos 17 meses e depois aos 26 meses. Depois de fazer 2 anos, a minha filha não comia nenhum verde no segundo prato, embora comesse na sopa. Se o segundo prato tivesse demasiada novidade, era capaz de rejeitar tudo e não comer nada que estivesse no prato.

Sei que parece super frustrante, mas os bebés e as crianças não vão querer comer algumas (ou muitas) vezes ao longo da vida deles. E é um comportamento normal!

A boa notícia? Estudos não encontraram evidências consistentes de que a selectividade alimentar afeta o crescimento da criança a longo prazo. Isto porque uma criança com comida disponível, não vai morrer à fome!

Mas a selectividade pode se tornar um problema a longo prazo

Quando o bebé ou criança deixa de comer consistentemente algum alimento, os pais eventualmente acabam por deixar de oferecer. E se os pais deixam de oferecer, a criança deixar de estar familiarizada com o alimento e cria-se o cenário perfeito para essa criança não querer comer mais esse alimento. O que fazer para que seja apenas uma fase e não algo permanente? Veja algumas dicas em baixo.

Continue a oferecer aquilo que o bebé não come

É fundamental continuar a oferecer o alimento para o bebé continuar familiarizado com ele mas sem nunca insistir ou forçar! Alimentos que o bebé ou criança rejeitam podem ser assustadores, então ofereça-os em quantidade pequena.

O bebé deixou de comer brócolos? Se hoje há brócolos ao jantar ponha um pouco de brócolos no prato, não encha o prato de brócolos! Não insista para que coma, os brócolos estão lá e isso é o suficiente.

A sopa é importante pelos nutrientes, por isso continue e a oferecer, mas não é exposição ao alimento. A sopa ter brócolos não deixa o bebé habituado ao brócolos que ele rejeita, mesmo que ele coma.

Ofereça variedade de alimentos saudáveis

Varie bastante. Nos alimentos que oferece, na forma como os cozinha e como os apresenta no prato. Varie nas cores e texturas que oferece. Um bebé que está habituado a ver coisas diferentes no prato tende a aceitar melhor novos alimentos.

Os alimentos que devem estar no prato de um bebé devem ser apenas alimentos saudáveis e naturais: vegetais, verduras, frutas, leguminosas, proteína animal, grãos (preferencialmente integrais), fontes de gorduras boas e lácteos (leite de vaca apenas a partir dos 12 meses). Evite produtos ultraprocessados, com açúcar ou sal, especialmente nas refeições principais.

Não ofereça alternativas nem substitua

Imagine que o jantar é arroz de grelos e frango. E o seu filho não tocou no segundo-prato. E você com as melhores das intenções, vai preparar uma massa com molho de tomate, ou fritar rapidamente umas batatas fritas.

O bebé ou criança percebem que não precisam comer, porque vão ter sempre o que querem – batatas fritas, mesmo que toda a família coma arroz de grelos. Vai ser cada vez mais difícil o bebé comer grelos. Então é importante que ele saiba que não há alternativas e que aquilo é tudo o que há para comer.

Não force o bebé a comer

Se pressionados ou forçados a comer, a necessidade de autonomia das crianças pode levá-las a resistir a comer. O que é que forçar um bebé acaba por fazer? Cria stress à hora das refeições e esse stress pode durar anos. Obrigada um bebé ou criança a comer sem vontade, mesmo que com a melhor das intenções – afinal não queremos que os nossos filhos passem fome – dá os sinais errados ao bebé: a mesa, a comida não é prazerosa, é fonte de stress. É muito complicado criar uma boa relação com a comida e os alimentos quando nos forçam a comer.

Sem contar que forçar um bebé a comer (e por forçar entenda-se também aquela colher bem intencionada depois do bebé virar a cara ou fechar a boca e que com jeitinho conseguimos que entre na boca do bebé), estamos a mexer com a capacidade de auto-regulação do apetite com que esse bebé nasce. O corpo dele recebe a mensagem de continuar a comer mesmo quando está satisfeito e isso pode trazer problemas de peso mais para a frente.

Não pode ser só mais uma colher, não pode ser um aviãozinho, não pode ser só sais quando acabares o prato, não pode ser se comeres mais um pouco podes ver televisão. Subornar é tão prejudicial como forçar.

Tenha paciência

Pode parecer assustador ver o nosso filho sem comer ou a comer mal várias refeições seguidas. Mas se ele está saudável e bem, confie nele. Ele sabe melhor que as outras pessoas quanto precisa comer. Sem contar que nós somos a geração do prato limpo, do só sair da mesa se comermos tudo e precisamos quebrar esse ciclo. A criança não precisa comer tudo o que está no prato para ser saudável!



Atenção que para bebés mais pequenos a rejeição pode estar relacionada com a falta de interesse: talvez seja altura para começar a variar mais sabores, evoluir textura. Se está a ter dificuldades em introduzir sólidos peça ajuda! E se desconfia que o bebé não está a comer porque está doente ou se existem outros sintomas fale com o pediatra!

Fontes:

Satter E. Feeding dynamics: Helping children to eat well. J Pediatr Health Care. 1995;9(4):178–84.

Cerro N, Zeunert S, Simmer KN, Daniels LA. Eating behaviour of children 1.5–3.5 years born preterm: Parents’ perceptions. J Paediatr Child Health. 2002;38(1):72–8.

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

Leave a Reply

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
Follow by Email
%d bloggers like this: