fbpx

O meu bebé não quer comer. E agora?

Este artigo aborda o tema de selectividade alimentar: bebés ou crianças que começam a comer mal ou rejeitar determinados alimentos. 

Mas antes de passarmos para o tópico de selectividade alimentar é importante tentar entender o que está por trás da falta de apetite:

  • Estão a nascer dentes?
  • O bebé está doente ou a ficar doente?
  • Alguma coisa mudou na rotina do bebé – passou a mamar muito mais?
  • O bebé está na fase de introdução alimentar – muitos bebés no início da introdução alimentar não têm interesse em comer
  • O bebé está a comer muitos snacks entre as refeições, a ir para a mesa sem apetite ou muito tarde?

Se achar que o seu bebé está doente ou está na dúvida, entre em contacto o pediatra.

A maior parte dos bebés passa por uma fase de selectividade alimentar entre 1 e 2 anos: são bebés, que comiam bem e de repente começam a rejeitar comida, a não querer comer ou até a cuspir a comida. Neste período, o bebé está a melhorar a motricidade, a tornar-se mais independente e a querer explorar o mundo – de repente passar tempo numa cadeira da papa deixa de ser interessante. Depois há a questão do próprio bebé estar a desenvolver o seu gosto pessoal. Tudo isto mais todos os dentes e os picos de crescimento podem tornar as refeições bastante desafiantes. 

É fundamental que o maior número de refeições possível seja feito em família porque os bebés aprendem por observação. É importante também que a mesa não seja um local de distrações, como pais ou irmãos ao telemóvel, televisão ligada, ou coisas que interessam ao bebé em cima da mesa. Eu sei, mais fácil falar do que fazer, mas lembrem-se que tudo passa, e educar uma criança a gostar de comer também passa, mesmo que não pareça.

A nossa experiência

Cá em casa até mais ou menos aos 15 meses, a Madalena comia de tudo e de repente começou a fase de cuspir. Para piorar, arrancava todos os babetes, então acabava sempre por ter de trocar a roupa toda a seguir. Também começou a rejeitar determinados alimentos, como courgettes, brócolos, tomate, cogumelos e papaia. Eu tentava misturar tudo, mas bastava sentir um pedaço de courgette na boca que cuspia a comida toda.

Depois começou a recusar até os alimentos que gostava. Podia comer bem o feijão ao almoço, mas ao jantar já não lhe interessava. Foi preciso ter muita paciência, respirar fundo muitas vezes, lembrar que não é pessoal – não a minha filha não está a recusar a minha comida que levei duas horas e que fiz com tanto carinho – e nunca desistir.

Os principais pontos deste artigo – e detalhamos cada um deles abaixo – são:

Antes de começar

Duas coisas importantes que valem a pena ressaltar: A primeira é que o bebé deve adaptar-se à rotina da família. Se está a fazer BLW mas toda a família come sopa antes do segundo prato, não há mal nenhum em dar um pouco de sopa ao bebé e depois a comida cortada. A segunda é que a criatividade conta! Se o seu filho comer os floretes de couve-flor a achar que são realmente flores, então ofereça-lhe “flores”. O húmus não é de beterraba, é cor de rosa e assim já sabe bem. 

Expor o bebé aos alimentos

A exposição aos alimentos deve ir muito além do prato e das refeições. É importante o bebé e a criança conhecerem como são os alimentos, saber os seus nomes, a que cheiram, como são ao toque. Mas como expor o bebé aos alimentos?

Leve ao supermercado e deixe tocar, conhecer as frutas e vegetais. 

Cozinhe com o bebé. Ter uma torre de aprendizagem permite fazer isso desde muito cedo.

Nomeie os alimentos. Isto é feijão, isto é batata doce, isto é um alho francês.

Use brincadeiras, livros e atividades para o bebé aprender os alimentos.

Uma horta, ou vasos na varanda com algumas frutas ou vegetais é uma ótima opção também.

Nunca desistir de oferecer um determinado alimento

Este é o ponto mais importante e não me canso de reforçá-lo porque ao fim do bebé ter recusado 3 vezes brócolos, o que parece mais lógico é deixar de oferecer brócolos. Mas se o bebé deixar completamente de ver brócolos no prato, é muito provável que não volte mesmo a comer.

Então a melhor forma é oferecer o alimento cozinhado de formas diferentes: se o bebé recusou brócolos cozidos em água, da próxima ofereça assados ou refogados com alho e azeite. Passados alguns dias, ou semanas, ofereça novamente cozido. Experimente por exemplo, cozê-los no vapor e pôr mais ou menos tempo.

Se pensarmos no nosso próprio gosto, há vários alimentos que comemos de uma forma e não de outra. Eu por exemplo só gosto de pimentos assados. Se me oferecerem sumo de beterraba não consigo sequer tocar. Mas adoro pickles de beterraba ou beterraba assada. 

Oferecer uma grande variedade de alimentos

É muito importante expor o bebé, principalmente até aos 2 anos, a uma variedade enorme de alimentos (excluindo alimentos ultra-processados, açúcar, mel). Isto não significa querer oferecer tudo na mesma refeição. 

A refeição ideal deve ter um dou dois vegetais/verduras/legumes (ou um vegetal + salada), uma porção de hidratos de carbono, uma porção de leguminosas, uma porção de proteína.

Os bebés comem pouco então não vale a pena oferecer cenoura, beterraba, tomate, espinafres, tudo na mesma refeição. Mas é importante o bebé provar várias vezes cenoura, beterraba, tomate, espinafres e muitos outros alimentos. Veja aqui a nossa checklist de alimentos “O meu bebé já comeu?”. 

Prefira comer sazonal, oferecer o máximo de alimentos naturais possível e não tentar limitar a oferta ao seu gosto (o que sem querer, acontece com alguma frequência). 

Comer fora da mesa também é uma opção

O bebé a partir de 1 ano e meio/2 anos passa por uma fase que não aguenta muito tempo na cadeira da papa. E se tentamos forçar só aumentamos o nível de stress – nosso e do bebé. É importante tentar entender o que está por detrás do não querer ficar na mesa para adaptar se necessário. O bebé está a ir muito tarde e com muita fome para a mesa? Comeu muitos snacks entre as refeições? Está cansado? 

Às vezes mudar a rotina resulta. Cá em casa optamos por nunca forçar a Madalena a ficar na cadeira contra a vontade dela. Mas durante a semana dávamos um lanche à Madalena quando ela chegava da creche, ela brincava, tomava banho e só depois jantava. E comia sempre pouco ao jantar. Então percebi que se lhe desse jantar assim que chegasse a casa ela comia muito melhor. Ela janta a maior parte dos dias da semana sozinha, mas come bem. 

Mas se ela não quer sequer sentar na cadeira então damos a comida fora da mesa. Normalmente no chão. Sento-me no chão com o prato dela e vou lhe dando a comida enquanto ela brinca, ou ela mesmo come pelas mãos dela. Mas não saio do lugar. E isso é muito importante. Dar comida fora da mesa não significa andar atrás do bebé com a comida. 

Com bebés mais pequenos há outras razões para o bebé não querer ficar na cadeira. Veja o nosso guia de introdução da alimentação complementar para ver o que pode estar a acontecer.

Adiar ao máximo a introdução do açúcar

Ao contrário do que se pensa, nós não nascemos com preferência por alimentos doces. O leite materno tem sabor neutro e os bebés nascem com paladares neutros também. Além disso, por terem tanto interesse em explorar e descobrir coisas novas, normalmente provam todos os alimentos ao levá-los à boca. São como uma tela em branco e os pais têm um papel fundamental na relação que o bebé vai ter com a comida daí para a frente. 

Se introduzirmos o açúcar cedo demais, estamos logo a viciar o paladar do bebé e ele vai ter tendência a preferir coisas doces: se o primeiro iogurte que o bebé comer for um danoninho, dificilmente vai aceitar um iogurte natural puro daí para a frente. Se o bebé de um ano come um bolo de brigadeiro, dificilmente vai gostar de um bolo de banana sem açúcar adicionado. 

E isto é muito importante porque a maior parte dos alimentos industrializados para bebés têm açúcar (36% da papa Cerelac é açúcar!). Então a melhor forma de alimentar um bebé nos primeiros anos de vida é oferecendo alimentos na sua forma natural. Sempre que optar por alimentos industrializados como bolachas, papas ou mistura de farinhas é fundamental ler os rótulos. 

Na nossa conta de Instagram temos um destaque dedicado a rótulos alimentares.

Dar independência ao bebé

Este tópico é tão requisitado que temos um artigo inteiro dedicado a ele. Mas deixamos aqui algumas sugestões.

Dar independência ao bebé desde cedo permite que ele possa explorar a comida, desenvolver capacidades, ter autonomia e torna as refeições mais interessantes.

Claro que dar total autonomia ao bebé desde a introdução alimentar (com o Baby-led weaning) é uma decisão dos pais. Mas uma forma de dar autonomia a um bebé que não faz BLW é ter sempre à mão do bebé um talher (garfo ou colher apropriada) para o bebé ir comendo por ele próprio enquanto os pais dão de comer. Um copo aberto apropriado para o tamanho do bebé com um pouco de água às refeições desde cedo também é uma ótima opção para dar autonomia ao bebé. 

Esconder os alimentos sim, mas não pode virar a regra

Uma ótima maneira de aumentar a quantidade de nutrientes que os nossos filhos comem mesmo quando eles não gostam de alguns alimentos é escondê-los nas receitas. Alguns exemplos são este molho de tomate que leva beterraba, estes hambúrgueres de carne com vegetais ou estes croquetes de brócolos.

Mas é muito importante continuar a oferecer os alimentos no seu formato natural para o bebé ser exposto aos alimentos e decidir o que gosta e não gosta. Se só oferecermos brócolos escondidos é muito provável que o bebé, que nunca provou brócolos cozidos, não venha a gostar de brócolos quando for mais velho. 

Uma boa opção é quando fizer, por exemplo, um hambúrguer de feijão, oferecer a courgette ao lado. Neste post podes ver diversas formas de preparar courgette.

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

Leave a Reply

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
Follow by Email
%d bloggers like this: