fbpx

O papel do terapeuta da fala na alimentação

Por Joana Caçoeiro, consultora de amamentação, terapeuta da fala no Hospital Dona Estefânia e Maternidade Alfredo da Costa

O nome Terapia da Fala é redutor para a quantidade de áreas que nós, os Terapeutas da Fala, estamos inseridos. De um modo geral, e de acordo com o Dicionário Terminológico de Terapia da Fala, 2020 da SPTF, “o Terapeuta da Fala presta cuidados preventivos e de reabilitação/reeducação de forma autónoma e/ou integrado em equipas multidisciplinares, em contexto domiciliário e/ou institucional em todas as idades”. No que respeita à Neonatologia intervém na alimentação e comunicação do recém-nascido e em Pediatria atua no âmbito da “prevenção, diagnóstico e intervenção do processo normal da mobilidade orofacial para a fala, mastigação e deglutição, nas perturbações dos sons da fala, nos atrasos e perturbações da linguagem, nas perturbações da leitura, da escrita e do cálculo, e também em patologias com sequelas da comunicação, deglutição, surdez, autismo e multideficiência”.

Apesar de sermos Terapeutas da Fala, o Desenvolvimento Alimentar faz parte do nosso currículo e por conseguinte da nossa intervenção intervém. Somos o profissional de saúde (inserido numa grande equipa multidisciplinar) que, após uma avaliação cuidada, intervém directa ou indirectamente (dando orientações e estratégias aos cuidadores) por forma a adequar as competências orais no que concerne à alimentação, proporcionando momentos positivos e prazerosos em redor da refeição e de tudo o que ela representa. Este é o pensamento central de todo o processo de intervenção terapêutica: Providenciar os estímulos exactos e disponibilizar as experiências necessárias para o correto desenvolvimento da função oral e consequentemente o progresso no desenvolvimento alimentar do bebé/criança.

Assim, o Terapeuta da Fala é o profissional habilitado não só para a atuação nas alterações/dificuldades/perturbações de base sensorial, motora e/ou comportamental da sucção, mastigação, deglutição mas também na capacidade de aceitação da diversificação alimentar adequada à faixa etária.

Sinais de alerta na alimentação

Como saber se deve procurar ajuda de um terapeuta da fala? Segundo a Joana Caçoeiro esses são os sinais durante a alimentação complementar que deve estar atenta:

Desinteresse total na refeição ou falta de apetite constante

Perda de peso significativa, dor ou incômodo à refeição.

Engasgamento e tosse constante durante e/ou após a refeição.

Ansiedade, fuga, medo ou pânico antecedente à refeição

Recusa de alimentos sólidos depois dos 10 meses.

Extrema dificuldade em sujar as mãos e boca.

Recusa por determinada consistência, cor, temperatura ou sabor.

Dificuldade nas tarefas de higiene (lavar os dentes, cortar o cabelo, as unhas).

Recusa ao toque em areia, relva, em colocar creme corporal.

Caso ocorram, procurar ajuda especializada o mais precocemente possível!

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

Leave a Reply

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
Follow by Email
%d bloggers like this: