fbpx

Os vários leites no primeiro ano de vida

Escrito por: Patrícia da Costa Moura, Nutricionista materno-infantil e Comportamento alimentar (3454N)

Consultas de Introdução alimentar e nutrição infantil (presencialmente em Telheiras ou Online)

Siga a patrícia em www.patriciamoura.pt, no Instagram em @patriciacmoura_nutricionista, E-mail: patriciacmoura.nutricionista@gmail.com

É consensual que o leite materno supre em exclusivo todas as necessidades do lactente durante o 1º semestre de vida e é recomendável que seja a principal fonte láctea até ao 1º ano, sendo assim, o alimento mais adequado para o lactente à exceção da presença de algumas doenças, nomeadamente, do foro metabólico. As vantagens do leite materno são para lá de muitas e englobam não só fatores nutricionais, como também fisiológicos e biológicos.

Uma das grandes vantagens do leite materno é a sua adaptação à (i) maturidade digestiva e renal do lactente, para além de as suas características nutricionais serem evolutivas, permitindo assim um crescimento lento e harmonioso. O leite materno veicula ainda defesas imunológicas, promovendo uma microbiota intestinal equilibrada (tipo de bactérias que vivem no nosso intestinos e protegem-nos de bactérias patogénicas), tendo ainda na sua composição componentes imunológicos (macrófagos, lisozima, lactoferrina, linfócitos B e T, imunoglobulinas Ig secretórias) que ajudam na imunomodelação do sistema imunitário, que ainda está em desenvolvimento e é responsável pela proteção contra agentes patogénicos (vírus, bactérias….) e desta forma, podemos assim considerar o leite materno como um alimento vivo.

Tabela 1 – Composição em energia e macronutrientes (valores médios) do colostro e do leite maduro (a termo) na espécie humana (tabela adaptada de Direção-Geral da Saúde. Alimentação Saudável dos 0 aos 6 anos – Linhas De Orientação Para Profissionais E Educadores, 2019. ISBN: 978-972-675-292-9😉

As fórmulas lácteas infantis podem ser divididas entre Fórmulas para Lactentes ou Leites 1 (desde do nascimento até aos 4-6meses) e Fórmulas de Transição ou Leites 2 (4-6 meses até aos 12-24 meses) e têm obviamente um papel importante quando o leite materno não é uma opção. A composição nutricional das fórmulas infantil tenta assimilar-se o máximo possível com o leite materno, embora seja importante realçar que similaridade não é por si só indicador de segurança alimentar, uma vez que a biodisponibilidade (ou seja, a quantidade efetiva de nutrientes que são absorvidos) não é a mesma. Neste sentido, as fórmulas infantis destinadas aos lactentes têm sofrido ao longo dos anos sucessivas modificações para se assemelharem o mais próximo possível ao leite materno.

Existem ainda os Leites Especiais, que devem ser utilizados apenas quando existem situações clínicas claras e bem definidas, que justifiquem o seu uso, são elas: fórmulas com hidrólise da proteína, anti-regurgitação, para prematuros e prematuros após alta hospitalar, sem lactose, acidificados ou com fórmulas funcionais. Também a fórmula infantil com proteína de soja carece de indicação terapêutica para o seu uso. No mercado, podemos ainda encontrar os Leites de Crescimento (Fórmulas 3, 4 e 5), aptos após os 12 meses, contudo o seu não deve ser recomendado por falta de suporte científico e legislativo, acrescido ainda do facto de estes Leites apresentarem um teor desajustado às necessidades proteicas.

Tabela 2 – Leites infantis e Fórmula com isolado de proteína de soja: Regulamentação europeia (Directiva Nº 2006/ 141/ CE) e ordem jurídica interna portuguesa (Decreto-Lei Nº 217/2008. DR, 1ª série – Nº 219 – 11 Novembro de 2008) no que respeita a densidade energética e composição em macronutrientes. Comparação com as características do leite humano e do leite de vaca em natureza. (Tabela adaptada da Rêgo C et al. Leite e Fórmulas Infantis. Acta Pediatr Port, 2013:44(5):S50-S93.)

Após análise da Tabela 2, podemos verificar que em comparação com o leite de vaca gordo, o leite materno tem consideravelmente menos proteína e mais hidratos de carbono, assim como, existe diferença no teor de outros nutrientes como ácidos gordos, minerais (sódio, potássio, magnésio, zinco). O leite materno contém, para além da componente nutricional, substâncias bioativas responsáveis pela otimização do crescimento e maturação, pela promoção da saúde e pela prevenção da doença, não sendo por isso, o leite de vaca um substituto direto do leite materno.

As fórmulas infantis são substitutas do leite materno e são nutricionalmente seguras, muito embora se associem a um crescimento, um perfil bioquímico e de outros marcadores de saúde diferentes dos registados em lactentes alimentados com leite materno. A composição das fórmulas infantis deve respeitar o Codex Alimentarius Standard e é suportada por regulamentação europeia e nacional. No caso das fórmulas infantis com proteína de soja é importante relembrar que não são standard, pelo que não são a primeira escolha para lactentes saudáveis. Não devem ser utilizadas em prematuros e deverão ser utilizadas apenas em situações particulares que envolvam questões éticas (dietas vegetarianas estritas), questões económicas ou de aceitação, e idealmente, a sua introdução só deve ser realizada após os 6 meses de idade.

Ainda relativamente aos lactentes vegetarianos estritos, as recomendações relativamente ao leite materno são sobreponíveis e na sua ausência, deve ser utilizada uma fórmula infantil com proteína de soja, ou em alternativa, proteína de arroz, contudo, é de ressaltar que embora estas fórmulas ofereçam um crescimento sobreponível ao dos restantes lactentes importa referir que as suas repercussões a médio-longo prazo são ainda desconhecidas. Importa ainda alertar para que as fórmulas com proteína de soja contêm fitatos, alumínio e fitoestrogéneos na sua composição e as de arroz poderem ter contaminação com arsénio. Já a ADA (American Dietetic Association) é clara, a fórmula infantil de soja é a única opção para lactentes veganos com menos de um ano de idade e que não estejam a ser amamentados, realçando que a bebida vegetal de soja, a bebida vegetal de arroz ou as fórmulas caseiras não devem ser utilizadas em substituição do leite materno, uma vez que não contêm um rácio correto de macronutrientes.

Para finalizar, a ESPGHAN, um dos mais conceituados comités de Nutrição, afirma que as fórmulas à base de leite de vaca devem ser a escolha preferencial para lactentes que não são alimentados com o leite materno e que as fórmulas com proteína de soja devem ser utilizadas apenas em situações especificas uma vez que podem trazer desvantagens nutricionais (altas concentrações fitatos, alumínio e fitoestrogénios) e mais uma vez, o seu efeito a longo prazo não é conhecido.

Por curiosidade, compilei na Tabela 3 a lista de ingredientes e a composição nutricional de três bebidas distintas: Leite de vaca gordo, Leite de crescimento 3 (em pó) e Bebida Vegetal de Soja, pelo que vou deixar o leitor tomar as suas próprias conclusões.

Tabela 3 – Comparação nutricional do leite de vaca gordo, leite de crescimento e bebida vegetal de soja

Referências bibliográficas:

Agostoni C et al. Soy Protein Infant Formulae and Follow-on Formulae: A Commentary by the ESPGHAN Committee on Nutrition. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition, 2006, April, Volume 42, Issue 4.p 352-361, doi: 10.1097/01.mpg.0000189358.38427.cd;

American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association and Dietitians of Canada: Vegetarian diets. Journal of The American Dietetic Association, 2003, June, Volume 103 Number 6;

Guerra A et al. Alimentação do lactente. Acta Pediatr Port 2012:43(2):S17-S40;

Direção-Geral da Saúde. Alimentação Saudável dos 0 aos 6 anos – Linhas De Orientação Para Profissionais E Educadores, 2019. ISBN: 978-972-675-292-9;

Rêgo C et al. CoFI – cConsenso português sobre fórmulas infantis. Acta Med Port, 2018 Dec;31(12):754-765;

Rêgo C et al. Leite e Fórmulas Infantis. Acta Pediatr Port, 2013:44(5):S50-S93.

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

Leave a Reply

Artigos relacionados

Digite acima o seu termo de pesquisa e prima Enter para pesquisar. Prima ESC para cancelar.

Voltar ao topo
Follow by Email
%d bloggers like this: