fbpx

No artigo de hoje partilhamos uma lista de aditivos com possível efeito nocivo e, por isso, devem ser evitados na alimentação do bebé.

Infelizmente, temos visto uma crescente industrialização da alimentação de bebés nos primeiros anos de vida. Oferecemos cada vez mais produtos altamente processados e começamos muito cedo. A busca por conveniência combinada com um marketing poderoso e muito apelativo da indústria de alimentos para bebés tornou isto possível.

Mas a verdade é que muitos dos produtos que estão no corredor da alimentação infantil nos supermercados e que são vendidos como “alimentos para bebés” têm aditivos alimentares.

Aprenda a ler rótulos alimentares e a fazer escolhas acertadas.

O que são aditivos alimentares?

Os aditivos alimentares são substâncias adicionadas intencionalmente aos alimentos como forma de melhorar o sabor, cor, textura e conservar/aumentar o prazo de validade.

A quantidade de aditivos adicionada aos alimentos é regulada por entidades de segurança alimentar competentes. Além disso, os aditivos são classificados como seguros ou não seguros.

Um comité de especialistas da OMS e da FAO analisou as evidências científicas mais recentes acerca da segurança e toxicidade dos vários aditivos alimentares e, consoante as conclusões, e definiu essa classificação: os aditivos que não demonstraram efeitos adversos foram classificados como seguros, e os restantes como não seguros.

Posteriormente, definiram a quantidade de Ingestão Diária Aceitável (IDA), que é calculada com base no peso. Esta IDA está descrita no Codex Alimentarius e é 100 vezes menor do que a quantidade considerada segura pelos vários estudos científicos analisados, contudo estes estudos apresentam várias limitações por serem maioritariamente realizados em animais ou in vitro.

É importante destacar que em humanos existe sempre o fator de variabilidade individual e os alimentos não são consumidos de forma isolada, mas sim dentro de um padrão alimentar complexo. Desta forma, este texto é escrito com base no princípio da precaução.

Porquê ter cuidado com aditivos alimentares

Apesar de existir um grande cuidado na regulamentação destes aditivos alimentares, temos de ter especial atenção quando falamos de bebés e crianças, uma vez que esta faixa etária é mais suscetível ao efeito tóxico de alguns aditivos pelo seu baixo peso e imaturidade digestiva.

Além disso, é importante ter em conta o efeito cumulativo dos vários aditivos presentes em diferentes produtos alimentares ao longo do dia.

Há estudos que demonstram que o consumo excessivo de aditivos alimentares tem efeitos metabólicos negativos (desregulam o normal funcionamento do pâncreas e metabolismo dos açúcares), alteram a perceção do sabor dos alimentos, desregulam a microbiota intestinal (bactérias que residem no intestino) e aumentam o risco de desenvolver doenças cardiometabólicas.

Existem também estudos observacionais que demonstraram possíveis correlações entre a ingestão de adoçantes artificiais e o surgimento precoce da primeira menstruação nas meninas. Mueller, N. T., et al. (2015) Outro estudo demonstrou que a ingestão de alguns aditivos como glutamato monossódico, aspartame e nitritos pareciam desencadear dores de cabeça em crianças, principalmente através de efeito cumulativo e não pela ingestão isolada. Taheri S. (2017)

Aditivos alimentares a evitar

  • Corantes E 110 (Amarelo crepúsculo) e E 102 (Tartrazina) – Relacionados com o desenvolvimento de sintomas alérgicos e hiperatividade em crianças. Schab DW & Trinh NHT. (2004)
  • Benzoatos e sorbatos – Quando entram em contacto com outros aditivos (como nitritos e ácido ascórbico) no estômago podem formar substâncias com potencial cancerígeno. Kraemer, M. V. D. S., et al. (2022). Além disso os benzoatos podem agravar sintomas de asma e eczema em crianças. ASAE (2022)
  • Sulfitos – Relacionados com problemas respiratórios. Vally et al (2009)
  • E 223 – Metabissulfito de sódio – Pode produzir irritação gástrica e reações alérgicas na pele. ASAE (2022)
  • E 249 Nitrito de potássio e E 250 nitrito de sódio – Proibidos em alimentos para bebés <6m pois destroem glóbulos vermelhos e, em contacto com aminas, podem formar compostos cancerígenos. ASAE (2022)
  • E 251 Nitrato de sódio e E252 Nitrato de Potássio – No estômago podem-se transformar em nitritos e desencadear os mesmos efeitos. ASAE (2022) O E 251 parece estar associado ao desenvolvimento de cancro colorretal. Crowe et al. (2019)
  • E 270 Ácido lático – Os bebés podem ter dificuldade em metabolizá-lo. ASAE (2022)
  • E 310 Galato de propilo – Não é permitido em alimentos para bebés e crianças. ASAE (2022)
  • E 321 Butil-hidroxianisolo (BHA) – Não é permitido em alimentos para bebés e crianças. ASAE (2022)
  • E 325 Lactato de sódio – Pode ser tóxico para bebés. ASAE (2022)
  • E 406 Agar-agar – Pode ter efeito laxante e originar flatulência. ASAE (2022)
  • E 407 Carragenina – Pode causar colite ulcerosa e após ser degradada no intestino, pode ter ação carcinogénica. ASAE (2022)
  • E 420 Sorbitol – Em excesso pode gerar flatulência, cólicas e diarreia. ASAE (2022)
  • E 421 Manitol – Pode gerar náuseas, vómitos e diarreia. ASAE (2022)
  • E 500 Carbonatos de sódio – Em doses elevados podem afetar o sistema digestivo e causar problemas circulatórios. ASAE (2022)
  • E 514 Sulfato de sódio – Doses elevadas de sódio são excessivas para bebés. ASAE (2022)
  • E 541 Fosfato ácido de alumínio e sódio – Bebés e crianças não conseguem eliminar facilmente o sódio e alumínio. ASAE (2022)
  • E 621 Glutamato monossódico – É proibido em alimentos para bebé. Pode causar a “síndrome dos restaurantes chineses”: palpitações, dores de cabeça, tonturas, náuseas, rigidez muscular e fraqueza nos braços. ASAE (2022)
  • E 626 – Ácido guanílico – É proibido em alimentos para bebé. ASAE (2022)
Exemplos de alimentos onde podem encontrar estes aditivos:
  • Bolachinhas para Bebé Saquetas +6M da Nestlé contém carbonatos de sódio
  • Bolacha Maria contém carbonatos de sódio, sulfitos e metabissulfito de sódio
  • Fiambre contém nitrito de sódio
  • Fiambre de frango contém nitrito de sódio e glutamato monossódico

Fontes:

https://www.asae.gov.pt/seguranca-alimentar/aditivos-alimentares/aditivos-alimentares-mais-relevantes.aspx

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/28298151/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC9060765/

https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/26178725/

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC8049500/

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

%d bloggers like this: