fbpx

No artigo de hoje explicamos que grupos alimentares devem fazer parte do prato do bebé. No final do artigo há um template para download gratuito!

Durante muitos anos a comida do bebé era composta por sopa. Saíamos do consultório com uma lista limitada de ingredientes a incluir na sopa, o peso de cada um e os ml de sopa que o bebé tinha comer.

Hoje sabemos melhor. E sabemos que os primeiros dois anos de vida do bebé são uma janela de oportunidade para a otimização do crescimento e modelação de hábitos alimentares saudáveis.

Por isso, é importante que haja uma grande variedade não só de alimentos (naturais), mas também de cores, sabores e texturas na alimentação do bebé para estimular não só uma melhor aceitação dos alimentos, mas também fornecer um vasto leque de nutrientes essenciais.

Como deve ser constituído o prato do bebé?

Antes de mais: os alimentos a incluir no dia-a-dia vão ser altamente influenciados por questões sociais, culturais e familiares, por isso a recomendação é para que dentro daquilo que é a disponibilidade alimentar da família, se varie ao máximo a oferta dada ao bebé.

Ao construir um prato devemos escolher:

Um alimento fonte de hidratos de carbono

A função principal dos hidratos de carbono é fornecer energia e vitaminas do complexo B que contribuem para essa mesma produção de energia.

Exemplos: Arroz, massa, batata, batata-doce, quinoa, trigo sarraceno, millet, aveia, bulgur, castanhas, amaranto, etc. Podemos enriquecer estes acompanhamentos com molho de tomate, pimento, espinafres ou caju, por exemplo.

Um alimento do grupo dos legumes e hortícolas

Apostando na variedade da cor, pois cores diferentes fornecem nutrientes diferentes. Por exemplo, se numa refeição oferecemos couve roxa, rica em betalaínas com propriedades anti-inflamatórias, noutra refeição podemos oferecer abóbora, rica em carotenóides com benefícios para o sistema imunitário e visão!

Um alimento fonte de proteína

Por norma, as fontes de proteína são também bons fornecedores de ferro. cujas funções principais são construir tecidos e apoiar o sistema imunitário e, por isso, imprescindíveis para o adequado crescimento do bebé.

Alguns exemplos são a carne (qualquer carne como vaca, porco, borrego, frango, pato, coelho, etc. Exceto carne de caça), peixe (exceção de algumas espécies),ovo, feijão, grão-de-bico, húmus, lentilhas, tremoço, pasta de tremoço, tofu, favas, etc.

Pode oferecer apenas uma fonte ou combinar duas fontes, por exemplo grão-de-bico com peixe, feijão preto com carne de vaca ou feijão branco com frango. Um estudo mostra que combinar uma fonte de ferro heme (animal) com uma fonte não heme (vegetal) aumenta a absorção do ferro não geme em 150%.

Um alimento rico em vitamina C

Para potenciar a absorção de ferro como são o kiwi, salsa, pimento, couves de bruxelas, couve portuguesa, laranja, morangos, tangerina, sumo de limão (como tempero) etc.

A gordura preferencial a ser utilizada na confeção e temperos será o azeite, com nutrientes antioxidantes como os beta-carotenos e a vitamina E, e que lhe conferem propriedades cardio-protetoras.

Ao longo do dia devem ser oferecidos alimentos como as frutas da época, cereais integrais (p ex. aveia em formato de papa, panquecas, etc.), laticínios sem adição de açúcares nem aromas (+12 meses), oleaginosas em forma de pasta de oleaginosas e sementes.

Ofereça sempre os alimentos em formatos e texturas seguras para a idade e desenvolvimento do bebé.

E em que quantidades?

As recomendações mais atuais dos órgãos de saúde, como a OMS, não falam de pesar quantidades de comida, mas sim de oferecer comida com base no princípio de alimentação responsiva. Oferecemos comida atempadamente quando o bebé ou criança tem fome e paramos quando o bebé está satisfeito.

Contando que haja variedade não só no prato, mas entre refeições, para a maioria dos bebés saudáveis, não será necessário pesar comida.

Cá em casa, e foi como aprendemos com a introdução alimentar da minha filha mais velha, dividimos o prato em 4 partes iguais, em que 2 partes são de hortículas e frutas – tento também ter sempre ter um verde escuro no prato – outra para hidratos de carbono e outra para proteína. Depois acrescento a gordura (tempero algo com azeite, acrescento um pouco de abacate, sementes trituradas por cima dos alimentos).

Em termos de proteína, variamos muito: apenas leguminosas ou tofu, proteína animal, ovo, peixe, leguminosa combinada com outra fonte de proteína. Se acrescento uma leguminosa no prato, reduzo um pouco a quantidade de proteína animal.

Template Gratuito

Faça o download gratuito do template com lista de alimentos para cada grupo alimentar. Assim pode imprimir e ter na porta do frigorífico ou na cozinha para ajudá-la a inspirar-se e variar as refeições! Faça o download aqui.

Fontes:

Aviso

O conteúdo oferecido no blog comidadebebe.pt é puramente para fins informativos. O comidadebebe.pt não se dedica a fornecer aconselhamento profissional, seja médico ou outro, para usuários individuais ou para os seus filhos ou famílias. Nenhum conteúdo deste site, independentemente da data, deve ser usado como um substituto do conselho de um médico ou profissional de saúde, nutricionista ou especialista em alimentação e alimentação pediátrica. Ao acessar o conteúdo em comidadebebe.pt, reconhece e concorda que aceita a responsabilidade pela saúde e bem-estar de seu filho ou familiar. Em troca de fornecer-lhe uma série de informações sobre alimentação e nutrição infantil, introdução da alimentação complementar e receitas, você renuncia a quaisquer reclamações que você ou seu filho possam ter como resultado da utilização do conteúdo que está no comidadebebe.pt.

%d bloggers like this: